Soul Animal

Ajuda protetores de animais, intermedeia adoções e trabalha com conscientização. Escreve sobre posse responsável.

Giardíase canina

Uma doença que pode infectar teu cão e você também!

A Giardíase é uma infecção causada por protozoários que acometem, principalmente, a porção superior do intestino delgado. É considerada uma zoonose, ou seja doença transmitida ao homem pelos animais.
A transmissão da doença entre animais ocorre através da rota fecal-oral. Uma vez instalado no ambiente, o cisto (forma infectante do parasita) é bastante resistente e pode sobreviver por longos períodos, principalmente em ambientes frios e úmidos. O hospedeiro se infecta ingerindo os cistos, que se rompem no intestino após a exposição ao ácido gástrico e às enzimas pancreáticas.
Em humanos, a contaminação ocorre através da ingestão de cistos dos parasitas presentes na água e nos alimentos contaminados, ou pelo contato com as fezes de animais ou humanos infectados. Os grupos mais acometidos são crianças, geralmente menores de cinco anos e indivíduos imunossuprimidos. Os sintomas mais comuns da doença nos animais são fezes moles, odor fétido e algumas vezes diarreia acompanhada de dor abdominal, que pode ser intermitente e aguda e muitas vezes associada à desidratação.
Outros sinais incluem vômito, cansaço, falta de apetite, perda de peso e anemia. O ser humano pode apresentar a mesma sintomatologia canina, ou seja:
– Diarreias frequentes, vomitos, desidratação, fraqueza, dores abdominais, podendo evoluir para problemas mais graves quando não tratados.
O controle e a prevenção da doença devem ser baseados nas seguintes ações:
-Educação sanitária e adoção de hábitos de higiene: qualidade da água, lavar as mãos e alimentos antes das refeições.
– Tratamento de indivíduos infectados, com sintomas ou não.
– Vacinação dos cães.
Para que seu animal e você estejam livre de giardíase, é necessário que você o vacine quando filhote com 3 doses da vacina V8 ou V11 e depois, o revacine uma vez por ano, não se esquecendo que também será necessário vaciná-lo contra raiva canina para mantê-lo saudável e sem riscos de contrair raiva.
Cuide do seu animal de estimação! Seja um dono responsável e amoroso!

Fonte: Raças.org

Confira dicas de cuidados com os animais no carnaval

Mais um feriadão de Carnaval está chegando: folia, festa e diversão não vão faltar! Mas se você tutela um animal doméstico e vai pegar a estrada, é preciso ficar atento com os cuidados com o seu amigo nesse período: ele vai ficar por aqui ou vai junto com você? Será que ele vai gostar dessa agitação toda? Os animais não são muito adeptos das festas. A mudança na rotina pode levar ao estresse.

“Pessoas diferentes no mesmo ambiente aumentam o risco de acidentes, como por exemplo, fugas e atropelamentos (mesmo dentro de casa). Podem, ainda, se machucar por estresse pelo intenso barulho ou de tanto latir tentando ver o que está acontecendo fora de casa. Outros problemas comuns são a intoxicação por alimentos impróprios ou resíduos incluindo bitucas de cigarros, balões, enfeites e pedaços de fantasias”, entre outras coisas. Quem vai ao litoral deve intensificar os cuidados.

Na praia há muitos cães errantes, que são fontes de doenças e parasitas. Também há o problema das fugas, cães e gatos perdidos por estarem num ambiente desconhecido ou pouco familiar. “A vacinação deve estar em dia. Para a viagem de carro, por exemplo, os tutores devem estar prevenidos. A dica é não se esquecer de manter o carro arejado, levar sempre água fresca e o tapete higiênico, além de fazer algumas paradas durante o trajeto. Quem tem filhote não vacinado, é melhor optar por deixá-lo por aqui.

“Filhotes não vacinados não devem ter contato com outros cães, principalmente os que moram nas ruas, nem ir a parques, por exemplo. Para cães e gatos idosos, a viagem pode ser uma fonte de estresse e risco. A hospedagem se torna a melhor opção”. Caso os tutores queiram colocar o animal no ritmo da folia, como roupinhas ou possíveis fantasias, é preciso tomar cuidado com os acessórios. Roupas apertadas ou que possam se engatar em algo são perigosas e podem sufocar ou machucar o animal. “Pode usar roupa? Pode, mas com supervisão. Nunca deixe o cão ou gato sozinho usando a roupa”.

Gazeta da Cidade © 2014 | Todos os direitos reservados