Editorial

A relação entre a biodiversidade e a saúde humana

Neste mês, o cientista Peter Ben Embarek, da Organização Mundial da Saúde (OMS), disse que o coronavírus vem de morcegos e que a Covid-19 surgiu de um grupo de vírus que se origina ou se espalha também em morcegos, porém ainda não é possível afirmar qual animal passou o vírus para os seres humanos. A OMS ainda está pesquisando a respeito da origem animal da doença. Logo, podemos ver a relação entre a biodiversidade e a proliferação de doenças. Ou melhor, a tênue linha entre a perda da biodiversidade e a saúde. Estudos mostram, por exemplo, a maior probabilidade de doenças passarem da vida selvagem para os seres humanos devido a habitats desmatados.

Nesta sexta-feira, dia 22 de maio, o mundo todo celebra o Dia Internacional da Biodiversidade. A data foi instituída em 1992 pela Organização das Nações Unidas (ONU) a fim de conscientizar sobre a necessidade de se conservar e proteger a diversidade de vida no planeta.

A diminuição da biodiversidade (todas as espécies de seres vivos existentes no planeta) no mundo todo é alarmante. Entre as principais causas dessa diminuição estão a desflorestação, mudanças de habitat e a degradação dos solos que, em muitos casos, se devem às alterações climáticas.

De acordo com o especialista da ONU em Direitos Humanos e Meio Ambiente, John Knox, o mundo caminha rumo à sexta onda de extinção global de espécies, ameaçadas cada vez mais pela destruição de habitats naturais, pela caça ilegal e pelas mudanças climáticas. Ele lembrou que os direitos a alimentação, saúde, água e vida dependem da biodiversidade.

“As pessoas não podem gozar de seus direitos humanos sem os serviços que ecossistemas saudáveis fornecem. E proteger a biodiversidade é necessário para garantir que os ecossistemas permaneçam saudáveis e resilientes. A diversidade biológica e os direitos humanos estão interligados e são interdependentes”, afirmou.

Segundo dados do Ministério do Meio Ambiente, o Brasil possui mais de 116 mil espécies de animais e ultrapassa o número de 46 mil plantas. Entre os vertebrados, são 720 espécies de mamíferos, 1.924 aves, 760 répteis, 986 anfíbios e 4.388 peixes. Outras 94 mil (aproximadamente) espécies são de animais invertebrados.

 

 

Foto: Ilustrativa

Faça bonito, denuncie!

O Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes é lembrado nesta segunda-feira, 18 de maio. A data foi instituída com a aprovação da Lei Federal nº. 9.970/2000, em memória de Araceli Cabrera Crespo, de apenas oito anos, que foi sequestrada, drogada, violentada e cruelmente assassinada, no Espírito Santo, em 18 de maio de 1973. Araceli saiu da escola e nunca mais retornou, tendo seu corpo aparecido carbonizado seis dias depois. Os suspeitos de tal crueldade eram jovens de classe média alta que foram absolvidos do crime que ficou conhecido como “Caso Araceli”.

A data tem o objetivo de sensibilizar, informar, conscientizar e convocar toda a sociedade para participar da luta contra o abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. Desde a criação da Lei 9.970, entidades ligadas à defesa dos direitos das crianças e adolescentes realizam atividades em todo o país para mobilizar os brasileiros sobre a gravidade da violência sexual.

Para se ter uma proteção completa e ampla das crianças e adolescentes são necessárias ações em conjunto entre os serviços públicos, escola, família e sociedade. Qualquer cidadão que observar comportamento estranho ou tenha conhecimento de que alguma criança ou adolescente está sofrendo violência, denuncie! As denúncias podem ser feitas através do Disque Denúncia 181; Polícia Militar ou Civil; Ministério Público; Conselho tutelar; Disque Direitos Humanos pelo telefone 100 – é gratuito e mantém o anonimato. O serviço funciona 24 horas por dia, incluindo sábados, domingos e feriados. O denunciante pode ligar ainda de qualquer celular ou telefone fixo. Não se cale. Ajude!

Vale ressaltar que o Disque 100 não se limita a proteger crianças e adolescentes, pois também atende outros grupos vulneráveis, como, por exemplo, idosos, pessoas com deficiência, em situação de rua, além da população LGBTQ+.

O combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolescentes também é destaque por meio do movimento Maio Laranja. Mais informações sobre o tema podem ser obtidas por meio da campanha Faça Bonito, uma ação do Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes: www.facabonito.org.br.

Mãe: três letras apenas, mas nelas cabe o infinito

O Dia das Mães é comemorado no Brasil no segundo domingo do mês de maio, conforme determina o decreto assinado em 1932, pelo então presidente Getúlio Vargas. Neste ano, a data cai em 10 de maio. O dia é celebrado em diferentes datas em vários lugares do mundo. Mas o objetivo é único: refletir sobre a tamanha importância das mães, festejar esse amor e comemorar a vida dessas grandes mulheres, que se doam para receber e estruturar a vida dos filhos.

A mãe educa o filho para a sociedade. É a família que forma cidadãos. Por mais que todos tenhamos o livre-arbítrio, a educação dos pais é essencial, é a base que a criança terá, são os exemplos que ela verá.

Há várias explicações para a origem da celebração. A mais antiga das comemorações é mitológica e remeta à Grécia Antiga, local onde a entrada da primavera era festejada em honra de Réia, mãe dos deuses.

No Brasil, o Dia das Mães foi promovido pela Associação Cristã de Moços de Porto Alegre (MG), no dia 12 de maio de 1918. Em 1947, a data passou a fazer parte do calendário oficial da Igreja Católica.

Já no século XVI, a Inglaterra começou a comemorar o chamado “Mothering Day”, no quarto domingo da Quaresma, como forma de homenagem para as mães de operários ingleses que, por causa da crise que assolava o país, passavam muito tempo trabalhando e longe da família.

Nos Estados Unidos, a celebração começou no princípio do século XX, quando a jovem Anna Jarvis perdeu sua mãe, Anna Reese Jarvis, e entrou em depressão. Para ajudá-la a se curar da doença, algumas amigas resolveram perpetuar a memória da mãe de Annie através de uma festa, cujo outro objetivo era fortalecer os laços familiares e o respeito pelos pais. A comemoração acabou se espalhando pelo país e, em 1914, a celebração foi oficializada.

 

Mãe (Mario Quintana)

 

Mãe…

São três letras apenas,

As desse nome bendito:

Três letrinhas, nada mais…

E nelas cabe o infinito

 

(…)

 

Para louvar a nossa mãe,

Todo bem que se disser

Nunca há de ser tão grande

Como o bem que ela nos quer.

Dia do Trabalho: direitos dos trabalhadores brasileiros passaram por mudanças nos últimos anos

Com tantas mudanças nos direitos dos trabalhadores brasileiros nos últimos dois anos, com as reformas trabalhista e previdenciária, além do programa Verde e Amarelo, cuja Medida Provisória (MP) que abrange o assunto foi revogada em abril pelo presidente Jair Bolsonaro, vale lembrar que o Dia do Trabalho ou Dia do Trabalhador será comemorado nesta sexta-feira, dia 1º de maio, feriado nacional.

Vários países espalhados pelo mundo também celebraram a data que, em 1886, foi palco de uma grande manifestação de milhares de trabalhadores, na cidade de Chicago, nos Estados Unidos. Eles protestavam contra as condições desumanas de trabalho, reivindicando a redução da jornada de serviço – que era de 13 horas diárias – para oito horas por dia. Na ocasião, teve início uma greve geral nos EUA. Manifestantes e policiais morreram.

O Dia do Trabalho tem o objetivo de celebrar as conquistas dos trabalhadores ao longo da história, além de chamar a atenção para as atuais reivindicações da categoria. Em 1889, em Paris, a central sindical Segunda Internacional decidiu que, anualmente, e, sempre no dia 1º de maio, seriam realizados protestos para diminuir a jornada de serviço para oito horas diárias, como homenagem às lutas sindicais de Chicago. Dois anos depois, dez manifestantes morreram durante um protesto na França.

No dia 23 de abril de 1919, o senado francês ratificou as oito horas e proclamou feriado o 1º de maio do ano. A Rússia, em 1920, adotou a data como feriado nacional e essa ação foi disseminada por vários países.

Em 1925, no Brasil, o dia 1º de maio foi declarado feriado pelo então presidente Artur Bernardes, após o fortalecimento da classe operária com a chegada de imigrantes europeus no país, ideias e leis trabalhistas. Porém, a data já era comemorada no país desde 1895.

Vale ressaltar que até o início da Era Vargas (1930-1945), tipos de agremiação dos trabalhadores fabris eram comuns no país, mas não estabeleciam um grupo forte, por causa da pequena industrialização da época. Os operários criticavam as estruturas socioeconômicas do Brasil. Com a propaganda trabalhista de Vargas, passou-se a celebrar o trabalhador no Dia do Trabalho.

Quando ameaçamos nosso planeta, arruinamos nossa própria casa

O dia 22 de abril, quarta-feira, foi declarado pela Assembleia Geral das Nações Unidas (AGNU) como o Dia Internacional da Mãe Terra, em 2009, com o objetivo de lembrar a interdependência entre seres humanos e os ecossistemas terrestres, assim como ressaltar a responsabilidade coletiva da sociedade de procurar viver em harmonia com a natureza.

A primeira manifestação da data ocorreu muitos anos antes de a Organização das Nações Unidas (ONU) reconhecer a sua importância. Em 22 de abril de 1970, o senador Gaylord Nelson, ativista ambiental, criou a comemoração. Cerca de duas mil universidades, dez mil escolas primárias e secundárias e centenas de comunidades participaram do ato. Na época, a pressão social teve sucesso e o governo dos Estados Unidos implantou a Agência de Proteção Ambiental e uma série de leis destinadas à proteção do meio ambiente.

Também chamada de Dia do Planeta Terra ou Dia da Terra, a data se internacionalizou a partir da década de 90; outros países também passaram a celebrar o dia que reconhece a importância do planeta e faz refletir sobre a preservação. A comemoração refere-se à tomada de consciência dos recursos naturais e seu manejo, à educação ambiental e à participação como cidadãos ambientalmente conscientes e responsáveis.

Para a ONU, a comemoração anual do Dia Internacional da Mãe Terra presta homenagem ao nosso planeta único e ao lugar que nele ocupam os seres humanos. “Também tem a intenção de chamar a atenção para a falta de atenção dos humanos para com os recursos e os ecossistemas que suportam a vida na Terra”.

“Nos próximos anos, o mundo vai necessitar de 50% mais de alimentos… 45% mais de energia… 30% mais de água… e muitos milhões de novos empregos. A Mãe Terra pertence a todos nós. Quando nós ameaçamos nosso planeta, minamos nossa própria casa – e nossa sobrevivência no futuro”.

A Terra possui em torno de 4,5 bilhões de anos e tem 510,3 milhões km2 de área total. A população humana atual da Terra é de aproximadamente 7,6 bilhões de pessoas. A Terra é o terceiro planeta mais próximo do Sol, o mais denso e o quinto maior dos oito planetas do Sistema Solar. A abundância de água na superfície da Terra é uma característica única que distingue o “Planeta Azul” dos outros do Sistema Solar.

Gazeta da Cidade © 2014 | Todos os direitos reservados