Carolina Lemes

Jornalista por formação (FAAT-2010), atuou em jornalismo radiofônico até 2013, quando passou a fazer parte da equipe da Gazeta da Cidade.

Diferentemente de outros anos, população tem comparecido em peso para vacinação contra gripe

A primeira fase da Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza terminou na última quarta-feira, dia 15 de abril, para idosos (de 60 anos ou mais) e trabalhadores de saúde. Neste período, foram vacinados cerca de 19,9 milhões de idosos, ultrapassando a meta, e 4 milhões de trabalhadores da saúde. Diferentemente de anos anteriores, a população tem comparecido em peso para a imunização em 2020.

A segunda etapa iniciou na quinta-feira, dia 16 de abril, e tem como público-alvo: membros das forças de segurança e salvamento; pessoas com doenças crônicas ou condições clínicas especiais; caminhoneiros, profissionais de transporte coletivo (motoristas e cobradores) e portuários; povos indígenas; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas; população privada de liberdade; e funcionários do sistema prisional.

A terceira fase de vacinação, com início em 9 de maio, abrangerá pessoas com deficiência (PCD); professores; crianças de seis meses a menores de seis anos; gestantes; mães no pós-parto até 45 dias; e pessoas de 55 anos a 59 anos de idade.

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe teve início em 23 de março, por determinação do Ministério da Saúde, e seguirá até 22 de maio, com o Dia D em 9 (sábado) do mesmo mês. A vacina está sendo aplicada por etapas e grupos prioritários em todo o Brasil. A meta é vacinar, pelo menos, 90% de cada um desses grupos.

O Ministério da Saúde envia novas remessas de lotes da vacina aos estados toda semana, conforme entrega do Instituto Butantan, que antecipou em um mês sua produção, para que o país iniciasse antes a vacinação dos brasileiros contra a gripe.

Segundo o Ministério da Saúde, neste ano o início da campanha contra influenza mudou, de abril para março, para proteger de forma antecipada os grupos prioritários contra os vírus mais comuns da gripe. Devido à circulação do novo coronavírus (Covid-19) no país, os estados e municípios têm buscado estratégias para diminuir concentração de pessoas, principalmente nos serviços de saúde.

É importante destacar que essa vacina não protege contra o corona, porém, nesse momento, vai auxiliar os profissionais de saúde na exclusão do diagnóstico da gripe, já que os sintomas são parecidos, o que ajuda na exclusão de diagnósticos e também a reduzir a procura por serviços de saúde.

Coronavoucher: início do pagamento, beneficiados e regras

O pagamento do auxílio emergencial de R$ 600,00 do governo federal a trabalhadores de baixa renda sem carteira assinada, prejudicados pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19), teve início nesta quinta-feira, dia 9 de abril, por meio da Caixa Econômica Federal. Para quem tem Bolsa Família, o recebimento seguirá o calendário do programa. A Lei nº 13.982/2020, que prevê o benefício, foi sancionada em 2 de abril.

Também conhecido como “coronavoucher”, o auxílio emergencial é destinado a pessoas maiores de idade que não têm carteira assinada, autônomos, microempreendedores individuais (MEI) ou contribuintes individuais da Previdência.

É necessário ainda ter renda familiar mensal inferior a meio salário mínimo (R$ 522,50) per capita ou três salários mínimos (3.135,00) no total; não ter Benefício de Prestação Continuada (BPC), aposentadoria ou pensão nem seguro-desemprego. Também fica sem o auxílio quem teve rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2018 (conforme declaração do Imposto de Renda entregue no ano passado).

Beneficiários do Bolsa Família também podem receber o auxílio emergencial, desde que seja mais vantajoso, pois o programa ficará suspenso até o recebimento do valor total do novo benefício, voltando ao valor normal depois desse período.

A concessão do auxílio é limitada a dois membros de cada família por até três meses. Assim, cada grupo familiar pode receber no máximo R$ 1.200,00 mensais. Caso uma mulher seja a única responsável pelas despesas da casa, o valor pago por mês será de R$1.200,00. A expectativa é que a medida beneficie aproximadamente 54 milhões de brasileiros.

Quem já tem o Cadastro Único (CadÚnico) ou Bolsa Família receberá o benefício automaticamente, sem precisar se cadastrar, desde que atenda às regras do auxílio. As pessoas que não estavam no Cadastro Único até o dia 20 de março e têm direito ao auxílio emergencial devem se cadastrar – no site www.auxilio.caixa.gov.br ou pelo aplicativo Caixa|Auxílio Emergencial. Depois de fazer o cadastro, basta acompanhar se vai receber o auxílio emergencial, consultando no próprio site ou app.

No momento, é possível realizar pagamentos e transferências com o dinheiro do auxílio. No entanto, o calendário para saque ainda não foi divulgado pela Caixa. O que significa que não há necessidade de ir pessoalmente ao banco.

Dois milhões de brasileiros são autistas

O Dia Mundial da Conscientização do Autismo foi comemorado na quinta-feira, dia 2 de abril. O autismo é um distúrbio neurológico que compromete a interação social, comunicação verbal e não verbal e o comportamento restrito e repetitivo.

Segundo a ONG Autismo e Realidade, a partir do Manual de Saúde Mental – DSM-5 (guia de classificação diagnóstica), o autismo e todos os distúrbios, incluindo o transtorno autista, transtorno desintegrativo da infância, transtorno generalizado do desenvolvimento não-especificado (PDD-NOS) e síndrome de Asperger (forma mais branda de autismo), fundiram-se em um único diagnóstico intitulado Transtorno do Espectro Autista (TEA).

“O TEA é uma condição geral para um grupo de desordens complexas do desenvolvimento do cérebro, antes, durante ou logo após o nascimento. Esses distúrbios se caracterizam pela dificuldade na comunicação social e comportamentos repetitivos. Embora todas as pessoas com TEA partilhem essas dificuldades, o seu estado irá afetá-las com intensidades diferentes. Assim, essas diferenças podem existir desde o nascimento e serem óbvias para todos; ou podem ser mais sutis e tornarem-se mais visíveis ao longo do desenvolvimento”.

De acordo com a ONG, o transtorno do espectro autista pode ser associado com deficiência intelectual, dificuldades de coordenação motora e de atenção. Às vezes, quem tem autismo possui problemas de saúde física, como, por exemplo, de sono e distúrbios gastrointestinais, e também pode apresentar síndrome de déficit de atenção e hiperatividade, dislexia ou dispraxia. Os jovens podem desenvolver ansiedade e depressão. O transtorno geralmente causa alguma forma de sensibilidade sensorial em um ou alguns dos cinco sentidos (visão, audição, olfato, tato e paladar).

O autismo é permanente. No entanto, cada pessoa com esta condição é única e todas podem aprender. Não existe cura para o transtorno, mas um programa de tratamento apropriado para cada pessoa pode melhorar a sua perspectiva. Já as causas da síndrome são desconhecidas, porém acredita-se que haja uma combinação de fatores que levem ao autismo, pois a genética e agentes externos contribuem para o desenvolvimento do transtorno.

Não existe uma estatística oficial no Brasil, mas estima-se que dois milhões de brasileiros sejam autistas. No entanto, em julho de 2019, foi sancionada a Lei 13.861/2019, que obriga a inclusão de informações específicas sobre pessoas com autismo no país nos censos demográficos, realizados a partir do ano passado, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Festival Digital Hora do Planeta 2020 – Use Sua Voz Pela Natureza

Você sabia que um simples apagar das luzes em toda a Terra durante uma hora pode aliviar o planeta do aquecimento global e conscientizar o mundo? Pensando nisso, o WWF-Brasil, uma organização não governamental (ONG) dedicada à conservação da natureza, marcou “A Hora do Planeta 2020”, um blecaute voluntário promovido pela ONG ambiental, neste sábado, dia 28 de março, às 20h30 (horário de Brasília).

O ato, que nasceu em 2007, acontece em diversas cidades pelo mundo, incentivando pessoas a desligarem as luzes por 60 minutos. A ideia é que a população reflita sobre as próprias ações em relação ao meio ambiente; o que temos feito e o que cada um pode fazer para diminuir os problemas e desafios ambientais. Esta é a esperança da Hora do Planeta, maior mobilização do mundo na conscientização sobre as mudanças climáticas.

Mas, neste ano, a já tradicional campanha passa por algumas mudanças devido aos cuidados com a saúde recomendados por órgãos oficiais durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). A ONG pediu que, desta vez, todos privilegiem a participação de forma digital na Hora do Planeta. Esta série de ações online foi denominada Festival Digital Hora do Planeta 2020 – Use Sua Voz Pela Natureza.

O WWF-Brasil vai realizar uma vasta programação digital, neste sábado, dia 28 de março, que durará 12 horas e contará com eventos gratuitos (de 30 minutos) com foco em sustentabilidade e no cuidado com as pessoas e o meio ambiente. As ações serão desenvolvidas com a participação de várias pessoas, que vão ministrar palestras e fazer lives sobre yoga, escotismo, cidades e oceanos, grilagem, fake news, mudanças climáticas, mercado de consumo, trabalho remoto, planeta, entre outros assuntos.

Veja todas as formas que você pode participar da Hora do Planeta no site www.horadoplaneta.org.br. Vale lembrar que, além dos efeitos mais visíveis, o aquecimento da temperatura global também provoca consequências silenciosas e ainda mais graves, principalmente na biodiversidade, atingindo, assim, a economia, por exemplo, por meio das mudanças climáticas.

 

 

Reconhecida calamidade pública no Brasil devido à pandemia do novo coronavírus

O governo federal solicitou ao Congresso Nacional o reconhecimento de estado de calamidade pública no Brasil até 31 de dezembro de 2020 devido à pandemia do coronavírus (Covid-19). A Câmara dos Deputados aprovou o projeto na quarta-feira, dia 18 de março. Com a aprovação, o texto seguiu para votação do Senado, que também acatou a medida, na sexta-feira, dia 20, por unanimidade. Logo depois, a medida foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União (DOU).

O reconhecimento de estado de calamidade pública permite ao governo federal aumentar o gasto público, descumprindo a meta fiscal prevista para o ano. Em 196 anos de história da Casa Legislativa, esta foi a primeira votação remota, ou seja, realizada sem a presença dos senadores no plenário. A sessão ocorreu por videoconferência.

Casos

Até às 13h10 de sexta-feira, dia 20 de março, as secretarias estaduais de Saúde divulgaram 910 casos confirmados do novo coronavírus no Brasil. A doença já atingiu 23 estados e o Distrito Federal. Foram 11 mortes, duas no Rio de Janeiro e nove em São Paulo.

Em Minas Gerais, o último boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) até o fechamento desta edição do jornal apontava 4.084 casos suspeitos em investigação e 38 casos confirmados.

Dúvidas

Para facilitar o acesso a informações sobre a Covid-19, o Ministério da Saúde lançou um aplicativo (Coronavírus – SUS) com dicas e prevenção, descrição de sintomas, formas de transmissão, mapa de unidades de saúde e uma lista de notícias falsas que foram disseminadas sobre o assunto.

O Ministério da Saúde também disponibilizou um número de WhatsApp para envio de mensagens gratuitas da população para esclarecimento de dúvidas sobre a doença: (61) 99289-4640. É possível enviar mensagens com imagens ou textos recebidos nas redes sociais para confirmar se a informação é verdadeira, antes de continuar compartilhando.

Link para baixar o app iOS: https://apple.co/3a85Lo1.Para baixar o app Android é no link: https://url.gratis/aVai4.

 

Gazeta da Cidade © 2014 | Todos os direitos reservados